SEARA DA CIÊNCIA
IMORTAIS DA CIÊNCIA

ARISTÓTELES

Nasceu em Estagira (Macedônia), em 384 a.C. e faleceu em Cálcis, na ilha de Eubeia (Grécia) em 322a.C.

Foi para Atenas aos 18 anos, ingressando na Academia (escola destinada à investigação filosófica), onde recebeu ensinamentos de Platão, permanecendo como discípulo do famoso filósofo por vinte anos. Platão tinha grande admiração pelo garoto, apesar dele não ser lá essas coisas em matemática. Com a morte de Platão ocorrida em 348 a.C., ele perdeu prestígio e, chateado por não ser escolhido como sucessor do mestre no comando da Academia, foi para Atarnéia, na Mísia, onde, astutamente, casou-se com uma sobrinha de Hérmias, o ditador do pedaço. Em 343 a.C., foi chamado para ser professor de Alexandre, o Grande, da Macedônia. Em 335 a.C. voltou a Atenas e fundou o Liceu, chamado escola peripatética porque o mestre dava suas lições passeando com os alunos, aliás, uma boa prática que poderia ser usada hoje em dia.

Em 323 a.C. morre Alexandre e logo após Aristóteles, que não era muito benvisto pelos atenienses, foi condenado à morte. Não esperou para ser executado e procurou refúgio na ilha de Eubéia, onde morreu algum tempo depois.

Considerado o mais importante filósofo da Antiguidade, abraçou praticamente todas as matérias, destacando-se por suas teorias na política, na moral e na metafísica, além de ter penetrado com profundidade nos estudos das Ciências Naturais, da Psicologia e da História. Todas essas teorias formam a base da chamada doutrina aristotélica, que acabou sendo incorporada pelos sábios da Igreja Católica como algo próximo da revelação divina. Por essa razão, Galileu, que não tinha Aristóteles em grande estima, quase entrou pelo cano, muito tempo depois.