SEARA DA CIÊNCIA

ANTOINE LAVOISIER

Nasceu em Paris em 26 de agosto de 1743 e faleceu em Paris em 8 de maio de 1794.

De origem abastada, foi incentivado a fazer Direito mas seu interesse pela ciência for maior, dedicando-se à química até o final de seus dias. É considerado o Pai da Química Moderna ou o Newton da Química. Caracterizava-se pela importância que dava às medidas acuradas nos seus experimentos. Em 1760 contribuiu para melhorar a iluminação das cidades e em 1770 definiu novos métodos para a produção de salitre, substância necessária à fabricação da pólvora. Segundo Asimov, ele cometeu 2 erros na sua vida. O primeiro foi investir 1 milhão de francos na Ferme Generale, firma particular de coleta de impostos para o governo e que o povo odiava. O dinheiro que ganhava investia na pesquisa química. Em 1768, com apenas 23 anos foi admitido na Academia Francesa de Ciências e em 1771 casou-se com a bela e rica Marie Anne que se tornou sua importante assistente. Em 1780, Jean-Paul Marat, um medíocre “cientista” candidatou-se a uma vaga na Academia e Lavoisier foi contra sua admissão. Este foi seu segundo grande erro.

Lavoisier quebrou uma a uma as antigas noções químicas que prevaleciam no século 18. Enterrou a teoria do flogisto demonstrando não há perda nem ganho de massa nas reações químicas (Lei da Conservação da Massa). Deu grande contribuição na descoberta do oxigênio feita por Priestley e Scheele. Publicou um livro fundamental com Berthollet e Fourcroy, em 1787: Nomenclatura Química e mais tarde Tratado Elementar de Química. Foi guilhotinado pela Revolução Francesa por ser coletor de impostos tendo como principal acusador Jean-Paul Marat.