SEARA DA CIÊNCIA
IMORTAIS DA CIÊNCIA

SÓCRATES

Sócrates é uma espécie de mito pois não se conhece nada escrito por ele nem se sabe direito onde e quando viveu boa parte da vida. Provavelmente, nasceu, viveu e morreu em Atenas, entre 469 e 399 A.C.

Praticamente, tudo que se conhece sobre Sócrates vem dos escritos de Platão, que foi seu discípulo e, por isso mesmo, não é uma fonte muito confiável. Aristófanes pôs Sócrates em algumas de suas peças. Temos, portanto, que acreditar nas versões desses contemporâneos para conhecer sobre a vida e a obra de Sócrates. Através deles sabemos que Sócrates inaugurou a prática da filosofia na Grécia, introduzindo técnicas de raciocínio que obtiveram enorme aceitação entre os sábios da época e que ainda hoje são muito bem considerados.

Sócrates figura como um imortal da ciência por ter sido um dos primeiros filósofos a valorizar o método de pensamento organizado que passou a ser utilizado por todos os sábios que se seguiram. Sem esse método, as opiniões seriam sempre controversas e impossíveis de serem aceitas ou rejeitadas. Em outras palavras, Sócrates, segundo Platão, criou a Lógica, disciplina que o próprio Platão expandiu enormemente.

Aparentemente, os métodos de pensamento de Sócrates não eram muito bem aceitos pelos cidadãos de Atenas. Seu modelo de argumentar envolvia algumas características que soavam como sarcasmo entre seus concidadãos. Por exemplo, ele dizia que a maior forma de conhecimento era questionar a veracidade de si mesmo e dos outros. Além disso, suas opiniões políticas enfureciam muita gente. O resultado é que ele acabou sendo condenado a morte. Dizem que seus discípúlos arranjaram uma forma de fazê-lo escapar mas ele se recusou a fugir para não dar bandeira de ter medo da morte, que considerava algo natural e desejável. Foi obrigado a beber um veneno chamado cicuta.