( Parte da capa do "Diálogo sobre os Sistemas do Mundo", de Galileu Galilei, 1632. ) SEARA DA CIÊNCIA

A MAGNETORRESISTÊNCIA GIGANTE

É provável que o computador que você está usando para ler essa fantástica página da SEARA DA CIÊNCIA tenha um disco rígido (o popular HD, ou "hard disk") com capacidade de uns 320 gigabytes (320 bilhões de bytes) ou até mais se você for descolado. Talvez você não saiba que essa enorme capacidade de armazenamento de dados em um pequeno disco de 3,5 polegadas foi tornada possível através do trabalho pioneiro de dois físicos que ganharam o Prêmio Nobel exatamente por isso. São eles, o francês Albert Fert e o alemão Peter Gruenberg. O que eles descobriram, em trabalhos independentes feitos em 1988, foi um fenômeno chamado de Magnetorresistência Gigante (MRG) que possibilitou a fabricação de cabeças leitoras de HD com altíssima sensibilidade. Menos de 10 anos depois dessa descoberta, os discos rígidos começaram a utilizar a MRG, com capacidade de armazenamento cada vez maior.

No relato a seguir, vamos descrever de modo muito simplificado o que é essa tal Magnetorresistência Gigante e como ela está sendo utilizada nos HDs e em sensores de vários tipos.


Como a cabeça leitora de um HD lê um bit.

A Magnetorresistência Gigante.

A evolução da capacidade de armazenamento de dados.