Área do cabeçalho
gov.br

Este sítio foi reprojetado para melhor atendê-lo. Acesse já pelo celular e veja mais essa novidade

Portal da UFC Acesso a informação da UFC Ouvidoria Conteúdo disponível em: Português

Universidade Federal do Ceará
Seara da Ciência

Área do conteúdo

MEDALHA RUBENS DE AZEVEDO

A Seara da Ciência outorga a MEDALHA RUBENS DE AZEVEDO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. A distinção é uma homenagem e reconhecimento da Seara da Ciência àqueles que contribuíram ao desenvolvimento da área de Divulgação Científica, em especial no Ceará. A primeira outorga da medalha ocorre em 2021, ano do centenário de nascimento de Rubens de Azevedo. Ele nasceu em 30 de outubro de 1921 na cidade de Fortaleza.

O nome de Rubens de Azevedo foi escolhido para dar nome à comenda por ser um dos pioneiros da Divulgação Científica na área de Astronomia no Ceará. Filho do pintor Otacílio de Azevedo e da poetisa Teresa Almeida de Azevedo, teve o historiador Miguel Ângelo de Azevedo, o Nirez, como irmão, e a escritora Jandira Carvalho como esposa.

Rubens de Azevedo (Fonte: Vaz Tolentino Observatório Lunar)

Seu nome batiza o planetário localizado no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, instituição localizada em Fortaleza. Rubens criou, em 1947 a Sociedade Brasileira dos Amigos da Astronomia (SBAA), e em 1948 fundou o primeiro observatório popular brasileiro, o Observatório Popular Flammarion e a Sociedade Brasileira de Selenografia, em São Paulo.

Foi professor de Selenografia na Escola Municipal de Astrofísica em São Paulo, professor assistente de Astronomia e Astronáutica da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba e professor de Geografia Astronômica na Universidade Estadual do Ceará.

Fundou o Observatório Astronômico da Paraíba e participou durante seis anos como membro ativo do Lunar International Observers Network, criado pela Nasa para assessorar as missões Apolo.

Rubens de Azevedo é autor, entre outros, dos seguintes livros: Selene, a lua ao alcance de todos; Lua degrau para o infinito; No mundo da Estelândia; Na era da Astronáutica; Lenda feita de pedra; O cometa de Halley e a Bandeira Nacional.

Rubens de Azevedo morreu no dia 17 de janeiro de 2008, aos 86 anos.

Estas são as credenciais da Divulgação Científica cearense, agora encravadas na forma de uma medalha que pretende ser a expressão do reconhecimento acadêmico ao esforço e dedicação daqueles que, assim como Rubens de Azevedo, colaboram para o desenvolvimento científico no Ceará.

Para conhecer mais as produções de Rubens de Azevedo, visite a página da SBAA.

Acessar Ir para o topo